terça-feira, 22 de abril de 2014

Intrusos na minha casa, socorro!!!



Andando pela casa outro dia, tropecei num sapato de salto alto que não era meu. Olho bem para aquele par de sapatos e pergunto: o que vocês estão fazendo aqui na minha casa, seus intrusos?
Bato o olho em cima da cama da minha filha e vejo um vestido de festa com bojo e tudo e novamente pergunto: o que você está fazendo aqui, seu intruso?
Viro a cabeça para o lado e em cima de sua cômoda não há mais bonecas, ursinhos e brinquedos coloridos, mas agora vejo batons, rímel, base, sombras, perfumes e muitos pincéis. Mais uma vez pergunto: como vocês entraram aqui, seus intrusos metidos?
Abro seu guarda-roupa e levo mais um susto daqueles, cadê os conjuntinhos, as galochas e as mochilas coloridas?
Um dia alguém me avisou que os filhos crescem num piscar de olhos, mas eu não sabia que era algo tão rápido. Outro dia eu a segurava nos braços, amamentava, ninava, levava ela para todos os lugares que eu ia. Hoje ela já quer ficar em casa sozinha.
Aquele corpinho tão pequeno e frágil, hoje, já está maior do que o meu. Tenho que dar bronca olhando diretamente nos seus olhos, recebo abraços apertados, mas não mais beijos estalados. Andar de mãos dadas, que era algo tão natural entre nós, passou a ser considerado  “mico”.
Aquela bebezinha agora quer pintar o cabelo, fazer as unhas, se depilar. Não usa mais talquinho, mas desodorante e perfume.
Ainda me assusto com meus filhos crescidos. 
Uma verdadeira metamorfose está acontecendo na minha casa e eu, me surpreendo a cada dia com a essa borboleta linda que está se revelando.  
 Ter filhos é uma das melhores coisas da vida. Não podia imaginar que era algo tão rico assim. Muitas vezes, eu tenho a nítida sensação de que eu mais aprendo do que ensino.   É algo mágico, incrível e sensacional ver seus filhos crescerem e eles crescem não somente no tamanho, mas na personalidade, nas manias, nas opiniões e na teimosia com a mesma velocidade.

Sei que ainda encontrarei muitos “ intrusos” dentro dessa casa, mas quero acreditar que com o passar do tempo eu vou me acostumar com cada um deles, ou pelo menos, vou me esforçar, eu prometo.

Imagem Google



sábado, 12 de abril de 2014

Cansaço x sono


Quem é mãe sabe que um dia o cansaço chega, por mais que a gente se prepare para esse momento e durma horrores antes do parto.  Ele vem de forma gradual, mas quando chega, meu Deus, gruda e demora muito pra ir embora.
Ando muito cansada,  parece que 24 hs nunca são suficientes para que eu consiga fazer tudo o que planejei anteriormente.
Tem dias que chego em casa com uma vontade gigantesca de me jogar na cama, com roupa e tudo e dormir até o outro dia, sem ter que me  preocupar com a janta das crianças, com o banho, com as tarefas, com as provas, com o uniforme limpo e por aí vai, a lista é interminável.  
Tem dias que tenho que lutar bravamente para que meus olhos fiquem abertos enquanto assisto por alguns instantes meu pequeno jogar Wii ou quando sentamos no sofá para ver algum desenho, se apagassem a luz eu era capaz de dormir ali mesmo.  Reúno forças para  dar conta de tudo antes que o dia acabe além, de ajudar minha filha mais velha com aquilo que ela precisar, porque cada filho tem suas necessidades, suas carências, suas dificuldades que a gente tem que aprender a suprir, não importa a hora ou  o lugar.
Aí, tarde da noite, depois de já ter mandado eles pra cama umas 30 vezes, dar água pra um, sucrilhos pro outro, contar uma história, dar 10 beijos de boa noite, fazer uma oração, escovar os dentes de novo porque resolveram comer alguma coisa antes de dormir,  você consegue arrebanhar sua prole e finalmente colocá-los na cama, seus olhos se recuperam e você perde o sono. O cansaço ainda está ali, mas cadê o sono?
Deita na cama, apaga a luz, conversa um pouco com o maridão, que também está cansado e logo pega no sono, rola pra lá, rola pra cá e nada do sono aparecer. Começa a pensar em todas as coisas que tem que fazer amanhã e quando olha no celular  já são 2hs da madrugada, você para, pensa e tem vontade de gritar: sono cadê você, eu deitei aqui só pra  te ver!
E agora, o que fazer? Levanto de novo, faço a “ronda” – passando em cada quarto, observando se estão cobertos, suados, se tem mosquito e volto pra cama. Agora o cansaço está de moer, tento não pensar em nada, mas é quase impossível, o silêncio é propício para fazer tantas coisas, mas resisto e fico ali, lutando para conseguir dormir, até que finalmente adormeço e quando me dou conta, o celular já despertou, o dia já amanheceu novamente e parece que eu acabei de fechar os olhos.  Seria tão bom se nós tivéssemos um carregador de baterias, de longa duração, diga-se de passagem, para que ficássemos 100% carregadas o dia inteiro...
     Pensamentos vão, pensamentos vêm, e eu, depois que me tornei mãe cheguei à conclusão que, com a maternidade somos muito mais felizes, mais realizadas, mais experientes, mais dinâmicas, mais rápidas, mais amigas e muito mais cansadas...rsrsrs





terça-feira, 1 de abril de 2014

Diferenças que unem...


Muitas vezes já me perguntei:  como pode duas crianças nascerem da mesma mãe e do mesmo pai e serem tão diferentes?
Eu vejo diariamente nos meus filhos suas personalidades, suas particularidades e suas atitudes sendo aperfeiçoadas em cada situação. Por vezes, enxergo neles dois extremos, é como se fosse a água e o vinho de tão diferentes que são, mas por muitas vezes, os vejo tão parecidos também.
Ela é tagarela, fala pelos cotovelos e conta tudo em detalhes. Ele fala bem menos, só o necessário, sem muitas explicações.
Ela é mais medrosa, tem medo de passar em ponte, tem medo de insetos, tem medo de altura, tem medo do novo. Ele é destemido, adora uma aventura, sobe e desce de qualquer lugar, acha o máximo encontrar bichos estranhos e tem certeza que tem poderes iguais aos super-heróis.
Ela é mais sensível, dengosa e adora um beijo. Ele é mais enérgico, chora mais e não gosta de ser beijado, só gosta de beijar.  
Ela acorda em câmera lenta, demora até pra tomar o café, está sempre zumbizando pela casa de pijamas (no final de semana, é claro). Ele acorda a mil por hora, já quer logo achar algo para fazer, se deixar, não toma nem café.
Cada um tem as suas particularidades na hora de comer. Ela adora comida com molho. Ele detesta.
Ela ama ler seus livros, tem coleções deles em seu quarto. Ele não tem paciência nem de esperar a história acabar, já vai logo querendo chegar na última página.
Ela não demonstra com facilidade seus sentimentos. Ele se declara todos os dias.
Ela tem paciência para montar quebra-cabeças, recortar, colar e criar. Ele prefere destruir tudo o que ela fez.
Ela é obediente e ele também.
Ela fala alto. Ele fala mais alto ainda.
Ela se esforça para brincar com ele. Ele se esforça para estragar a brincadeira.
Ela adora praia e piscina. Ele adora tudo o que se refere à água, inclusive um simples banho de chuveiro.
Ela dorme tarde e acorda cedo. Ele dorme tarde e acorda mais tarde ainda.
Os dois são inteligentes e espertos e se amam incondicionalmente.
Consigo enxergar claramente que um desperta no outro o novo, o diferente, o possível e juntos eles vencem seus medos, seus desafios, suas dificuldades de uma forma tão natural e imperceptível para eles... Só pra eles!








segunda-feira, 2 de dezembro de 2013

Mãe de prematuro…


  
Hoje assistindo um programa na tv que falava sobre bebês prematuros, fiquei emocionada e minha mente viajou novamente para aqueles dias em que passei em uma UTI Neonatal ao lado do meu “pequeno” guerreiro. Como são fortes estas lembranças, acho que não esquecerei jamais...aliás nem quero mesmo...

Nestes 10 dias em que minha vida se viu de cabeça para baixo, posso dizer, com certeza, que o dia mais difícil foi o dia do parto onde eu  não tive o grande prazer de  segurar meu filho nos meus braços. Ah..  como eu esperei por esse momento!

Ter que voltar pra casa sozinha,  sem minha barriga e sem meu bebê não foi tarefa fácil, não é pra qualquer uma, tem que ser muito forte e  ter muita fé...

Sentimentos opostos são constantes e contínuos na vida de uma mãe de prematuro. Os dias não passam, as horas se arrastam e os sentimentos ficam à flor da pele. Você chora por qualquer coisa, assistindo TV, observando um pássaro, cheirando uma flor. A vida parece que perdeu as cores, o sentido, a razão, tudo ficou cinza de repente, sem direito a qualquer aviso.

 Você olha aquele serzinho tão frágil, tão esperado, tão amado e já não agüenta mais vê-lo ali, cercado de tantos aparelhos, tantas enfermeiras, tantos bips. É oxigênio, é sonda, é incubadora, é luz, é medidor de saturação e muito mais.

Dá uma vontade enorme  de colocar aquele  tip-top que você comprou pra ele usar logo no primeiro dia, mas você olha bem e percebe que vai demorar algum tempo até ele caber lá dentro. Uma fralda RN consegue ficar enorme naquele corpinho tão pequenininho, tão magrinho, tão enrrugadinho ainda.

O Banco de Leite do hospital é o ponto de encontro das mamães, lá consolamos umas às outras e garantimos o leite de cada dia para nossos pequenos guerreiros.

Ao mesmo tempo em que você quer que tudo aquilo acabe, que todos possam  ir pra casa o quanto antes, você tem medo e receio de não saber cuidar dele como as enfermeiras fazem com tanta destreza.

Ser mãe de prematuro é conviver diariamente com o novo, com o desconhecido, com o medo, com a insegurança, com a incerteza; por vezes, temos medo do vento, da chuva, do frio... Outras vezes é conviver  com a certeza, com a superação, com a dedicação e com a fé. São sentimentos que se misturam, se fundem e nos fortalecem a cada dia.

É um universo gigantesco e tão pequeno ao mesmo tempo. Tudo parece tão frágil, tão pequeno, tão vulnerável. Cada dia é uma vitória, cada aparelho que vai sendo desligado é uma conquista, cada ml de leite que é tomado é um avanço, cada grama engordada um suspiro de alívio.

Estar ali, naquele lugar cheio de “pequenos guerreiros”, cheio de aparelhos, cheio de gente, cheio de amor e cheio de fé, não é para qualquer um. Poder  ouvir as mais lindas histórias, sentir os mais sinceros sentimentos, ver a verdadeira doação,  presenciar pequenas vitórias diárias e a superação diária de mães e filhos, é um privilégio.

Ser mãe de prematuro é perceber que “pequenos bebês” nos ensinam as maiores lições! 

domingo, 4 de agosto de 2013

Happy happy birthday



Como hoje meu  marido está de aniversário, resolvi fazer um post especial, porque ele é mais do que especial na minha vida.

Amor, você é meu marido, meu amigo, meu companheiro,  meu amante, meu protetor, minha metade, meu confidente,  pai dos meus filhos. Você faz meu dia ficar muito mais feliz, você me faz sorrir, dar muitas e boas gargalhadas... (como eu já falei aqui).

Tem várias coisas que admiro em você meu amor, cada vez mais, a cada dia.  Você é uma pessoa cativante, faz amizades com a maior facilidade, tem um coração gigante, se preocupa com os amigos, nossa família está sempre em primeiro lugar, nossos filhos são nossas prioridades.

Você tem o dom da paciência, da tolerância, do perdão, da persistência...ai como te admiro. As coisas nunca te assustam, porque você sempre consegue enxergar o lado bom de tudo, até das dificuldades.

   Diferentemente de mim, que sou uma manteiga derretida, te vi chorar poucas vezes, mas isso serviu para que eu te admirasse ainda mais, porque essa história de que homem não chora, não cola não.

Você está sempre preocupado em ser um exemplo para nossos filhos, e tenho certeza de que você se espelha muito nos teus pais, que são pessoas admiráveis também com relação a isso, posso ficar tranqüila, você é um ótimo pai, não poderia ter escolhido pessoa melhor e mais maravilhosa para ser o pai dos meus filhos. Sempre engraçado, divertido, disposto a passear, viajar, se doar para eles, ou melhor, para nós.

Sabe como ninguém tratar bem uma mulher, porque marido de verdade, sabe ser amigo, amante, protetor, compreensivo, confidente...

Ao teu lado, aprendi  e aprendo tantas coisas... ao teu lado me sinto completa, realizada, amada, paparicada, desejada, cuidada, protegida, abençoada. Quando você não está ao meu lado, fico sem chão...pois você é meu porto seguro, minha fortaleza, meu alicerce.

Te amo, te amo, te amo...obrigada por fazer parte da minha vida e por permitir que eu realizasse os maiores sonhos da minha vida: casar e ser mãe em tempo integral.

Te amo pra vida toda! 


sexta-feira, 2 de agosto de 2013

Duelo de gigantes



          Meu filho Luis Henrique, que hoje está com 3 anos,  tem se mostrado um “ gurizinho” daqueles, tem uma energia sem tamanho.

Até ontem eu olhava pra ele e via um bebê indefeso, que dependia de mim pra tudo. Hoje, olho para ele e enxergo um meninão, com alguns traços de bebê ainda, é verdade, mas muitas vezes, com atitudes de gente grande.

O Luis e o Henrique travam uma luta todos os dias, porque um, ainda quer ser bebê; o outro já é um menino, ou vice-versa.

O Luis fala corretamente muitas palavras me deixando muitas vezes boquiaberta com tamanha facilidade em se comunicar, mas o Henrique ainda insiste em dizer “tolhalha”, “compidor”, “infilito”,  “velículo” e “não se quepupe”, acho tudo  um barato.

O Henrique faz xixi sozinho no banheiro, lava as mãos e dá descarga;  o Luis ainda quer a fralda para fazer cocô.

O Luis dorme na cama dele rodeado de brinquedos, é claro; o Henrique acorda de madrugada e vem pra minha cama, no escuro e sozinho.

O Henrique é mais agitado, gosta de brincar de luta, de super-heróis e não tem medo de nada; o Luis é um doce de menino, fala 591 vezes ao dia que me ama, que eu sou linda e me dá beijos tão apertados na bochecha que chega a doer, amo de montão.

O Luis prefere o pai; o Henrique,  a mãe.

O Henrique briga feio com a mana; o Luis, ama sem medida.

O Luis adora super-heróis; o Henrique, Dora Aventureira e Diego.

O Henrique é birrento e faz a maior cena quando é contrariado; o Luis entende e se comporta como um adulto.

Amo essa misturinha de bebê e gurizinho. Os dois  se completam, são perfeitos assim, juntos e misturados, cada qual ao seu modo.

 Tem dias que me deixa de cabelo em pé,  em outros, é a melhor companhia do mundo, me faz  rir, dar boas gargalhadas e esquecer o tempo.

Como é bom ter alguém assim tão pequeno e tão completo, pertinho de mim...





sábado, 27 de julho de 2013

Saudade batendo forte…



Falar dos filhos, muitas vezes, não é tarefa fácil, ainda mais quando estão longe e a saudade tá batendo forte.
Minha princesa está viajando com a vovó já faz 4 dias por esse Brasilzão de meu Deus. Meu coração está apertadinho de tanta saudade, por isso, resolvi publicar aqui minha pequena homenagem a ela, minha companheira, minha amiga, minha confidente, minha linda, meu amor...
              
                             Minha menina

Doce, meiga, inteligente, amável,
É assim que você é.
Logo pela manhã acorda com um bom dia nos lábios,
Com certeza meu dia será louvável...

Não tente mudar seu jeito,
Você cabe exatamente assim em meu coração,
Te amo quando me abraça, quando me olha nos olhos,
Te amo mesmo quando deixa seus brinquedos espalhados pela casa.
Te amo assim, fazendo caretas, franzindo a testa, pisando forte pela casa quando é contrariada
Te amo quando a vejo estudando, lendo ou simplesmente brincando.
Te amo, Te amo, porque Te amo!

Seja sempre essa doce menina, que se encanta com as coisas simples da vida.
Amo teu toque, teu cheiro, teu cabelo...
Te amo  quando ficamos conversando e nos confidenciando por horas
Deitadas no mesmo travesseiro.
Te amo assim como você é,
Cheirosa, esperta, dengosa... minha menina...
Minha doce, meiga, esperada e adorável  menina!





sexta-feira, 10 de maio de 2013

Completamente APAIXONADA...



            Dia das mães de aproximando e eu constatando a cada dia que, estou literalmente APAIXONADA por meus filhos. A cada dia que olho para eles, percebo o quanto eles me enchem de alegria.       
       Tornaram minha vida uma grande surpresa, uma grande conquista, um grande desafio, uma grande "confusão", uma grande correria, mas, conseguiram despertar em mim, um sentimento que não encontra limites, muito pelo contrário, cresce mais e mais a cada dia. Meu Deus, tem horas que não consigo entender onde cabe tanto amor e tanto carinho. Sei que sou capaz de fazer qualquer coisa por eles, e nessas horas me considero uma leoa, ai, ai, ai, se alguém pensar em fazer mal para algum deles, não respondo por mim!
          Acompanhá-los em cada etapa de suas vidas, tem me tornado uma pessoa muito melhor, mais paciente, mais atenciosa, mais preocupada, mais amorosa, mais carinhosa, mais mãe.
Tem horas que tenho que saber  lidar com uma filha adolescente,  que está com os hormônios a flor da pele, ela é super companheira e obediente, mas, nesses últimos dias a língua está "incontrolável". Sei que é só uma fase, já passei por isso e lembro muito bem, são muitas mudanças, principalmente hormonais.  Graças a Deus essa não é a nossa rotina, são só uns rompantes. Essa fase, também é cheia de novidades para mim, afinal, nunca tive uma filha adolescente, então, aprendo a cada dia com ela, que delícia!
            Por outro lado, meu pequeno príncipe está descobrindo o mundo, cada dia é uma novidade, uma palavra nova, uma nova conquista, e ele tem me deixado encantada pela vida,  ouvi-lo dizer que me ama derrete meu coração, quando recebo um beijo, um abraço, uma piscadinha ou uma cafungada no cangote sem eu esperar, me derreto. 
             Olhando eles dormirem esta noite, tão indefesos, tão despreocupados, tão descansados, percebi o quanto meu amor é IMENSO por eles, cheguei a ficar emocionada somente por contemplá-los dormindo. Me senti super "competente", me enchi de orgulho, afinal, eles estão lindos, alimentados, protegidos, estudando, brincando, enfim, sendo crianças de verdade, sem atropelar fases, aproveitando tudo aquilo que a infância tem para oferecer-lhes. 
              Enfim, posso dizer com todas as letras: ESTOU COMPLETAMENTE APAIXONADA por meus pequenos. Obrigada Senhor, por essa dádiva!

quinta-feira, 18 de abril de 2013

Para sempre... minha pequena Princesa...



           É gente, eu sei que estou sumida, mas, é pura falta de tempo. E nessa correria louca do dia a dia, hoje é que eu consegui sentar e escrever um texto com o intuito de homenagear minha princesa que amanhã está de aniversário.
       Há quase 12 anos atrás, eu dava à luz a uma menina linda, cheia de saúde e que consegue me  encher de orgulho a cada dia. Ela veio para transformar meus sonhos em realidade.
        Nessa nossa "pequena"caminhada juntas eu aprendi tanto, mas tanto,  acho até que, mais aprendi do que ensinei. Que delícia! Foi com ela que eu descobri o verdadeiro sentido da palavra amor, que eu senti pela primeira vez meu coração batendo fora do meu corpo, que eu tive a absoluta certeza que o amor havia se materializado em minhas mãos,  que ser mãe é a melhor coisa do mundo. Através dela, eu desvendei dores, sonhos, silêncios, sorrisos...
      Com ela percebi gradualmente que eu me tornei outra pessoa depois do seu nascimento, que a maternidade só me fez bem. Descobri que sou capaz de fazer tanta coisa e que tenho tantos talentos, pois já fui desde enfermeira até atriz, somente para vê-la sorrir. Já tive que fazer um machucado parar de doer em segundos, já tive que acalentar choros inexplicáveis, já tive que me fazer de forte quando minha vontade era  desabar com ela, já chorei, já sorri, já pulei, já desenhei, já pintei, já errei, já acertei, já ensinei, já aprendi...
        Quando olho para ela, ainda consigo enxergar a minha pequena princesa mas, as evidência me mostram cruelmente que ela já não é mais tão pequena assim e a cada troca de  estação percebo nas roupas o quanto ela cresceu. 
        Daqui a pouquíssimo tempo ela deixará de ser uma menina e passará a ser uma adolescente e eu sei que, junto com essa transformação virão também muitos desafios para nós duas. Ela é minha confidente, conversamos sobre muitas coisas e muitas vezes é ela quem me escuta. Temos segredos que são só nossos e gostos muito parecidos. Ela sabe guardar um segredo como ninguém.
        Quando olho para ela e a vejo cheia de sonhos e projetos para o futuro fico tão orgulhosa que, quase não caibo em mim mesma. Não tenho a menor dúvida de que seu futuro será brilhante. 
        Um dia ela me fez a seguinte pegunta: 
        "Mãe, você me promete que vai me dar colo mesmo quando eu ficar bem velhinha? "
         Sabem o que eu respondi?
       "Prometo com a seguinte condição: quando eu não puder mais te pegar no colo quem vai me pegar no colo  é você, combinado!?
      Promessas feitas, o silêncio tomou conta do nosso longo abraço. 
        Minha linda, quero te dizer que eu TE AMO tanto, tanto, tanto que esse amor já não está mais cabendo em mim, posso dizer que sou a mãe mais feliz do mundo por tê-la ao meu lado todo esse tempo e por teres me proporcionado momentos de plena realização. TE AMO!!!


sexta-feira, 1 de março de 2013

Amor que dói....


     Já faz algum tempo que minha amiga Nessa publicou em seu blog um vídeo da Denise Fraga falando sobre o amor de mãe, é lindo, emocionante, verdadeiro e perfeito. Vale a pena ver, adorei e chorei!